Sexualidade / Comportamento

Por que sentimos prazer anal? Especialista explica

É incontestável que o sexo, além de ser muito bom, também traz diversos benefícios à saúde. Porém, até hoje a relação sexual é um assunto cercado de preconceitos e tabus para homens e mulheres.

Entre os maiores medos nos relacionamentos é o sexo anal. Será que dói? Como estimular a região? Como abordar o parceiro? Esses são apenas alguns dos questionamentos que surgem ao pensar nesta prática.
No entanto, o que nem todos sabem é que o ânus é uma zona erógena muito importante, porém a forma como deve ser estimulada é diferente entre os homens e as mulheres.

Prazer anal em homens
Há estímulos sensitivos que implicam em prazer na margem anal (região externa do ânus), no canal anal (parte interna) e no reto (região acima do canal, onde está a próstata).

“Há mais sensibilidade na região da margem anal e nos dois terços distais do canal anal, enquanto no terço proximal e no reto há mais receptores nervosos de pressão”, revelou o médico coloproctologista João Ricardo Duda.

A região da próstata é considerada o ponto “G” dos homem, isso porque o seu estímulo pode implicar, em alguns casos, em orgasmos mais intensos e prolongados do que aqueles que ocorrem pela estimulação peniana.
“A próstata pode ser acessada através do reto, sendo localizada em sua parede anterior, em média a 10 centímetros da margem anal”, indica o especialista.

De acordo com João, estas regiões geram prazer sexual pois recebem terminações de um nervo chamado “pudendo”, o mesmo que inerva o pênis, a pele da bolsa escrotal, o clitóris e os lábios vaginais.

Além disso, existe um fator de prazer psicológico: a mente também gera estímulos decorrentes dos conceitos comportamentais de dominação e submissão.
Prazer anal em mulheres
Assim como nos homens, nas mulheres também existem estímulos sensitivos que implicam em prazer na margem anal e no canal anal. Contudo, pode haver prazer decorrente da pressão do pênis tanto na parede vaginal quanto da penetração no reto. A região do reto de maior prazer está em sua região anterior, em direção a vagina.

“Estas regiões geram prazer sexual pois recebem terminações do nervo pudendo, o mesmo que inerva o pênis, a pele da bolsa escrotal, o clitóris e os lábios vaginais”, comenta João Duda.

Além de tudo isso, o fator psicológico também é importante para as mulheres: “Há participação da mente, uma vez que a relação sexual anal remete ao erotismo e à pornografia, ao proibido e à dominação, sendo por esta razão bastante estimulante para muitas mulheres”, comenta o especialista.

Diferença entre o prazer anal em homens e mulheres
O ponto comum entre os sexos é o fato de que ambos possuem o nervo pudendo, responsável pelo prazer tanto no homem quanto na mulher. A diferença ocorre pelo fato da mulher não possuir próstata e, consequentemente, o prazer decorrente da sua estimulação. A mulher depende muito do estímulo concomitante do clitóris, lábios vaginais e do ponto G vaginal.

“Para algumas mulheres o sexo anal não é prazeroso, sendo até mesmo doloroso e realizado somente para satisfazer ao seu parceiro. Já para outras é prazeroso, excitante, e até mais íntimo que a penetração vaginal”, disse João Duda.

Segundo o coloproctologista, existe uma série de diversos benefícios decorrentes do sexo, sejam eles físicos, emocionais, sociais:

1. Melhora o sistema imune

2. Pode melhorar a frequência evacuatória

3. Pode ser mais prazeroso para o homem em relação ao sexo vaginal

4. Eleva a intimidade do casal

5. Reduz o medo de gravidez

6. Possibilita ter relações no período menstrual
No entanto, é preciso ter em mente que há riscos, como os de lesões e traumatismos na região anorretal, incluindo o mecanismo esfincteriano anal. Além disso, as chances de contrair doenças sexualmente transmissíveis são maiores do que no sexo vaginal.

Como tornar o sexo anal mais prazeroso?
Uma das principais dicas para tornar essa experiência ainda mais prazerosa é relaxar e curtir o momento. Então, dedicar-se a uma boa preliminar ajudará ambos a tirarem a tensão do corpo, tornando assim a penetração do pênis, dos dedos ou de algum brinquedo sexual muito mais tranquila.

Além disso, o uso de lubrificantes é fundamental, pois a região anal não possui lubrificação natural. Os produtos à base de água são os mais recomendados, pois não têm risco de gerar reações alérgicas.

“Deve-se ter cuidado e delicadeza na penetração e movimentos iniciais, a fim de não causar dor e ferimentos. A limpeza prévia do reto, seja com duchas higiênicas ou enemas, é bem-vinda para muitos”, aconselha o coloproctologista.

Como abordar o parceiro (a)?
O primeiro passo para resolver isso é ter uma conversa aberta com o companheiro (a). “A principal forma de tornar seu relacionamento melhor é serem sinceros um com o outro, ter uma relação aberta, conversarem sobre o sexo em si. Não existe forma correta, existe apenas o desejo e a intimidade de ambos. Então, em um ‘papo sexual’, se abrir, relatar sua curiosidade, até mesmo pesquisarem as áreas erógenas de ambos”, comentou a psicóloga Flavia Tavares Perna.

Realizar fantasias pode proporcionar maior intimidade e melhor comunicação entre o casal. Por isso, não deixe de dialogar com seu parceiro (a). Caso não consiga é preciso buscar ajuda profissional para entender como é possível melhorar essa relação.

MINHA VIDA

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar