sábado, março 28, 2020
Início Destaque JANEIRO BRANCO: Camila Toscano defende discussão sobre saúde mental durante e após...

JANEIRO BRANCO: Camila Toscano defende discussão sobre saúde mental durante e após o parto

A deputada estadual e presidente da Comissão dos Direitos da Mulher na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Camila Toscano (PSDB), defendeu nesta sexta-feira (10) uma discussão mais ampla sobre um tema importante, mas pouco priorizado pela população que é a saúde mental das mulheres que se tornam mães. Para a parlamentar, é fundamental discutir a depressão de mulheres durante e após o parto que acomete 25% das mães no Brasil, segundo estudo feito pela Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, da Fiocruz.
 
A depressão pós-parto atinge principalmente as mulheres, mas não é exclusividade delas. Os homens também podem passar pelo problema. Especialistas contam que, para eles, a condição é ainda pior, já que muitos pais não percebem que precisam de ajuda. Nas mulheres, em alguns casos, podem aparecer sintomas da doença, como tristeza, apatia, desalento e rejeição ao bebê, até mesmo durante a gestação.
 
“Precisamos alertar e discutir o tema para que mais pessoas tenham conhecimento do que está acontecendo e que é preciso procurar ajuda. Por isso, nesse Janeiro Branco precisamos reafirmar a nossa luta no combate à depressão. Na Paraíba, uma Lei (11.388/19) de nossa autoria cria a Política de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome da Depressão com o objetivo de detectar a doença ou evidências de que ela possa vir a ocorrer, visando prevenir seu aparecimento”, disse Camila.
 
A Lei prevê ainda a realização de pesquisas visando ao diagnóstico precoce da depressão e seus distúrbios; evitar ou diminuir as graves complicações para a população decorrentes do desconhecimento acerca da depressão e seus tipos, bem como aglutinar ações e esforços para maximizar seus efeitos benéficos. Números da Pesquisa Nacional de Saúde mostram que a depressão atinge cerca de 5% da população paraibana, o que corresponde a 188 mil pessoas.
 
Ajuda – A indicação dos especialistas é, no caso de apresentar alguns dos sintomas, procurar uma unidade de saúde e começar o tratamento especializado. O SUS oferece tratamento gratuito e atenção completa para as mães que passam pela depressão pós-parto. Vale lembrar que mulheres com doenças psiquiátricas prévias em gestações não planejadas ou em situação social de risco podem ser mais vulneráveis à doença.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Must Read

CAPS-AD presta assistência a moradores de rua contra o novo coronavírus em Guarabira

Entre as ações de assistência social e de enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19), realizadas pela prefeitura de Guarabira nos últimos dias, está sendo realizado...