Mulher e Beleza

Hidrogel: produto só deve ser usado em plásticas reparadoras

O que é hidrogel

O hidrogel é um polímero que trabalha na função de preenchimento pela absorção de substâncias através principalmente de sua solução aquosa. É uma substância que tem em sua composição 98% de água e 2% de microesferas de poliamida, semelhante ao plástico.

A principal característica do hidrogel é ter um custo baixo, por esse motivo ele passou a ser usado em preenchimentos em larga escala, em regiões como glúteos e coxas. O problema disso é que o hidrogel pode se infiltrar nos tecidos do corpo, causando processos inflamatórios, que podem evoluir para processos infecciosos. Isso pode causar uma série de complicações.

O hidrogel é autorizado para seu uso pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) desde o ano de 2008, mas com restrições. A Anvisa esclarece que existem duas empresas no Brasil que possuem os produtos, contudo até o momento nenhuma delas está apta a comercializar o produto por problemas de regulamentação.

Indicações do hidrogel

O hidrogel é utilizado para corrigir pequenas cicatrizes, deformidades da pele e rugas e preenchimento de áreas como rosto e pescoço, para amenizar rugas e flacidez. Alguns pacientes utilizam o produto para preencher áreas maiores como nádegas e coxas, mas esse tipo de procedimento causa muito mais riscos. Portanto, preenchedores permanentes devem primeiramente ser indicados como tratamento de deformidades faciais congênitas ou adquiridas por algum acidente ou no caso de lipoatrofias da face, como ocorre com pacientes com aids.

Como o hidrogel é usado

O hidrogel é aplicado diretamente por meio de uma microcânula na região entre o subcutâneo e a fáscia muscular (tecido que envolve os músculos), sem a utilização de um dispositivo indireto como próteses. Imediatamente após a aplicação é realizada uma massagem na área.

Assim que é realizada a aplicação do produto, o hidrogel provoca uma reação inflamatória, natural de defesa do organismo que o protege de uma infecção. Depois de injetado, o produto adquire consistência gelatinosa e o corpo produz uma cápsula que envolve a substância garantindo assim a sua permanência maior no local de aplicação, o que evita que a substância se espalhe pelo corpo.

Riscos do hidrogel

Por mais que o corpo produza uma cápsula que envolve o hidrogel, ainda assim a risco de que a substância se espalhe pelo corpo ou que seja reconhecida como um objetivo estranho pelo sistema imunológico. Isso faz com que diversos problemas apareçam, como reações alérgicas, endurecimento dos tecidos com formações de granulomas ou nódulos, deformidades, imperfeições, infecções localizadas e sistêmicas, necrose, problemas circulatórios como embolia pulmonar e até o óbito. As reações nem sempre aparecem logo após aplicação: como o hidrogel demora muito tempo para ser eliminado do corpo, os efeitos colaterais podem se manifestar até 10 ou 15 anos depois de seu uso inicial.

Além disso, existem complicações relacionadas à técnica de aplicação. Por exemplo, com a utilização de seringa os riscos de perfurar algum vaso e causar embolia pulmonar aumentam.

Não obstante, devido à posição de aplicação do hidrogel e por ele ter propriedades que se ramificam no tecido, se houver algum processo infeccioso associado ao músculo, é preciso fazer a retirada de parte dele.

Por fim, quando o hidrogel é inserido no organismo, algumas bactérias podem entrar junto com ele, formando uma camada chamada biofilme. Na maior parte dos casos, os micro-organismos não causam prejuízo, mas alterações no sistema imunológico, por exemplo quimioterapia ou até um estresse maior, podem fazer com que as bactérias comecem a se proliferar, causando uma infecção generalizada.

MINHA VIDA

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar