DestaqueSaúde

Gravidez X desconfortos: especialista explica por que nem toda gestação é um “mar de rosas”

DIA DA GESTANTE

Descobrir ou confirmar uma gravidez provoca na mulher uma série de sentimentos, dúvidas e também incômodos. Sim! A gravidez nem sempre é um ‘mar de rosas’ para as mulheres. Muitas passam por vários desconfortos ao longo das semanas de gestação. Tonturas e esquecimento foram os primeiros sintomas que a jornalista Diva Monteiro percebeu ao descobrir que estava grávida. Por volta da oitava semana de gestação o famoso e tão temido enjoo também bateu à porta e, atualmente, com 15 semanas, os incômodos só aumentam.

“Além dos enjoos tenho sentido muita fadiga e as dores no quadril percebo que estão aumentando e, às vezes, também sinto umas dores agudas na região dos seios”, afirma a gravidinha de primeira viagem.

Mas quem pensa que apenas ‘mulheres comuns’ passam por essa fase durante uma gestação está bem enganado. Constantemente, a atriz e apresentadora do Lady Night, Tatá Werneck, compartilha, do jeito dela, nas redes sociais os incômodos que tem sofrido durante a gestação. “Um negócio que dá muito enjoo e você tem vontade de vomitar todos os seus órgãos no tapete da sala”, explica a atriz sobre o problema.

Olhar-se diante do espelho e não sentir-se mais a mesma. As roupas ficando pequenas. Dores de cabeça, nas costas, inchaço nas pernas, azia, incômodo na região pélvica e o surgimento de acne todos esses são alguns dos sintomas que muitas mulheres enfrentam durante a gravidez. Apesar de serem sinais característicos da gestação o coordenador de ginecologia e obstetrícia do Hapvida em João Pessoa, Romeu Menezes Neto, alerta que cada mulher é um ser individual e não deve ser vista ou tratada de forma coletiva.

“Do jeito que uma gestação pode progredir de forma tranquila para algumas mulheres, para outras pode ser um período de muitos cuidados. O exemplo disso é o fato de existir mulheres que sentem enjoo, outras não. Umas sentem dor na coluna outras não. Cada mulher é um ser individual e precisa ser visto nesse sentido também nesta fase da vida”, destaca Romeu.
O especialista explica que uma ocorrência comum entre as gestantes é o medo do ‘que aconteça comigo o que aconteceu com ela’. Nesse sentido, o médico ressalta a importância da realização do pré-natal de forma correta.

“A gente luta para que as mulheres se esforcem para comparecerem ao pré-natal dentro do recomendado porque isso possibilita que a gestante tenha o direito de sanar as dúvidas com o obstetra. Pois quando se tira a dúvida com uma vizinha, em grupos de WhatsApp, etc pode ocorrer da experiência de outra mulher gerar medo nessa gestante”, explica o obstetra.

Fatores estéticos – Ao longo das 40 semanas de gestação, muitas mudanças, inclusive, físicas acontecem no corpo de uma mulher.  Essa é uma fase em que acaba sendo comum algumas gestantes não gostarem da imagem que vêem refletida diante do espelho ou perceberem certa mudança no aspecto visual. Foi o que aconteceu com a jornalista Diva.

“Já notei que surgiram acnes em meu rosto e outra mudança perceptível é em relação à fibra do meu cabelo, como ele é cacheado, tenho notado ele mais fofo e também mais ressecado”, afirma.

A cantora Marília Mendonça, que também está em sua primeira gestação, é mais uma grávida que se enquadra no perfil das mulheres que não estão gostando da imagem que vêem no espelho nessa fase gestacional. A artista não entrou em detalhes, mas revelou que tem enfrentado problema de auto estima, e em uma rede social afirmou: “Faz tempo que não me acho bonita, inclusive desde que eu descobri que estava grávida”.

Diante de tais fatos, Romeu defende que os casos em que as gestantes se acham feias é uma espécie de mito. Tendo em vista, que toda mudança é fisiológica e faz parte do processo de formação do novo indivíduo que está sendo gerado.

“As mulheres precisam entender que uma série de fatores fisiológicos envolve o período gestacional, sendo assim, após o nascimento da criança o corpo volta a ser o que era. Não vou negar que pode ocorrer da mulher vir a apresentar flacidez em alguma parte do corpo. Mas em casos como esses são necessários a prática de atividade física e dieta, o que possibilita que a mulher volte ao corpo que tinha antes da gestação”, ressalta o coordenador de ginecologia e obstetrícia do Hapvida em João Pessoa.

O médico Romeu Menezes Neto ainda explicou que o escurecimento e aparecimento de manchas na pele também é um processo natural da gestação.

“Existem algumas manchas que são comuns em mulheres grávidas como o escurecimento do bico do peito, da vulva, surge à máscara gravídica no rosto das mulheres, mas tudo desaparece após o nascimento do bebê. Agora durante a gestação a pele da mulher estica e podem surgir as estrias que tendem a não sumir. Porém, isso também é fisiológico”, explica e acrescenta “por isso indicamos o uso de alguns cremes hidratantes e ingestão de bastante água para evitar essas manchas”, conclui.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar