Política

Damares levou filha adotiva irregularmente do Xingu, afirmam indígenas

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, envolveu-se em mais uma polêmica nesta semana. Índigenas da aldeia Kamayurá, reserva do Xingu, no Mato Grosso, afirmaram, em entrevista à revista  Época , que a ministra levou uma criança indígena ilegalmente da tribo há 15 anos.

Damares Alves apresenta Kajutiti Lulu Kamayurá, que hoje tem 20 anos, como sua filha adotiva. A ministra fundou, junto com a amiga Márcia Suzuki, a ONG Atini, com o objetivo de salvar crianças indígenas do infanticídio.

De acordo com os indígenas, quando Lulu tinha apenas seis anos, Damares e Márcia se apresentaram como missionárias e a levaram irregularmente da tribo, com o pretexto de fazer um tratamento dentário. “Márcia veio na Kuarup (festa tradicional em homenagem aos mortos), olhou os dentes todos estragados e falou que ia levar para tratar”, contou Mapulu, pajé da aldeia Kamayurá.

Lulu era criada pela avó paterna, Tanumakuru, que afirma que, no momento da partida, nunca imaginou que a neta jamais voltaria para a tribo. “Chorei, e Lulu estava chorando também por deixar a avó. Márcia levou na marra. Disse que ia mandar de volta, que quando entrasse de férias ia mandar aqui. Cadê?”, lamentou à Época

Para adotar uma criança indígena, é necessário passar pela aprovação da Justiça Federal e da Justiça Comum, além de receber um aval da Funai. Uma equipe de psicólogos deve analisar se há vínculo entre a criança e o adotante e se a família biológica concorda. A opinião de toda a tribo também deve ser ouvida. Damares, porém, não passou por nenhum desses crivos e já admitiu, em entrevista à TV Globo , que nunca formalizou a adoção legalmente.

A ministra ainda afirmou à revista que Lulu visita a família biológica regularmente e que nenhuma lei foi violada. Os índigenas , por sua vez, dizem que a primeira visita só aconteceu há cerca de dois anos. Ela não respondeu as questões sobre a adoção irregular.

A tribo não nega que sacrificava bebês no passado. O tio de Lulu, Piracumã, afirma que ele insistiu para que a mãe não enterrasse a criança na época do nascimento. “Antigamente, tinha o costume de enterrar. Hoje, a lei mudou”, completou Mapulu. Em 2013, durante um culto, a ministra disse que Lulu foi “salva de infanticídio” e teria sido maltratada pelos Kamayurás. Os indígenas rebatem as acusações. “Quem sofreu mesmo, quem ficava acordada fazendo mingau, era a vovó Tanumakaru, não a Damares. Ajudei a buscar leite nessa época”, disse a pajé Mapulu.

 

 

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar