segunda-feira, abril 6, 2020
Início Destaque Cássio critica carga tributária e diz que política econômica está equivocada

Cássio critica carga tributária e diz que política econômica está equivocada

“Eu fui uma das vozes que se levantou neste Senado contra a política equivocada de reajustes diários do preço do combustível. Desta tribuna, exigi, inclusive, a mudança dessa política ou, se ela não fosse mudada, a renúncia do então presidente da Petrobras, Pedro Parente – o que veio a acontecer semanas depois –, porque o país explodiu diante da insensibilidade do governo Temer, da incapacidade de dialogar com a sociedade, da distância que esse governo tem da realidade do povo brasileiro” – disse Cássio, nesta quarta-feira (05),  ao lamentar novo aumento de gasolina anunciado pela Petrobras.

O senador lembrou que o alto custo do produto é devido também à elevada carga tributária. Ele explicou que a composição do preço do combustível no Brasil está diretamente vinculada aos custos de produção, mas também à carga tributária, que é muito alta.

Imposto – “No meu Estado, a Paraíba, em cada litro de gasolina que se coloca em um tanque 30% do que se paga é de imposto estadual – apenas impostos estaduais. Quando olhamos para a composição do preço do combustível no Brasil, praticamente a metade é de impostos, a outra metade é o produto em si” –  afirmou.

O problema, segundo o parlamentar, é que a receita tributária brasileira é consumida pelo déficit público. Para Cássio, o dinheiro do povo “está sendo torrado no pagamento de juros da dívida pública de um Estado gigantesco, ineficiente, corrupto, cheio de mordomias e de privilégios”.

“O povo brasileiro luta, trabalha e enfrenta dificuldades no seu dia a dia para pagar seus impostos e tem, como retorno, um orçamento de R$ 220 milhões para os ministérios da Educação e Saúde. Enquanto isso, o pagamento dos juros da dívida pública consumiu R$380 bilhões no ano passado” – denunciou.

Mordomias – Para Cássio, o que a sociedade exige neste momento é uma redução da máquina pública. Ele defende o fim do que considera mordomias, como auxílio-moradia para o Judiciário e carros oficiais para autoridades públicas.

“O Brasil não aguenta mais. É o Estado que não cansa de arrecadar, que não cansa de aumentar impostos e que sacrifica, cada vez mais, a sociedade com essa política equivocada. E o que a sociedade exige neste instante é uma redução dessa máquina pública, menos governo e mais Brasil, para que o país sobreviva, porque quem quebrou o Brasil não foi a sociedade, não foi o povo trabalhador, não foram os empresários, os profissionais liberais, os agricultores. Quem quebrou o Brasil foi o governo brasileiro” –  concluiu o senador.

Assessoria

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Must Read

Em Duas Estradas, Lalá volta ao grupo da prefeita Joyce Renally

Lalá estava na oposição, mas preferiu retornar ao grupo situacionista em Duas Estradas. “Voltei pra onde nunca deveria ter saído”   Joyce e Lalá estão juntas...